quarta-feira, março 30, 2005

esse é continuação do outro (lê o outro, lê o outro)

e essa era uma
música-ocorrência
que ocorreu de pressão
escapou da melodia
e virou
poesia -
minha só minha
Cê que sabe
Mas eu tento entender

A língua das cores
As cores da língua

Fecho os olhos pra esconder
Invisível, para crer

Dia dia dia
Choro, chorinho
Anos 20
Sofrer é da vida?


Mas é você que sabe
o que eu tento entender

quarta-feira, março 23, 2005

Subir em árvores

Subir em árvores, tirar proteção (abandonar chinelos)
Tocar os pés nas rasuras,
fissuras, entranhas, superfícies
Como artesão que empresta seus dedos,

emprestar os pés para ser bailarino,
para ser andarilho...
Caminhar entre raízes,

então pensar...
Cruelmente pensar...

terça-feira, março 22, 2005

qual que?

Qual a nota que tu tocas
qual a nota que te tocas?

segunda-feira, março 21, 2005

para a música de nanquim

através da cerca
cerquei teu olhar
acerca de mim
estava o mar

domingo, março 20, 2005

Mas a gente tenta! Por que que a gente tenta?

Vou querer dormir
Vou querer encontro
Vou querer morte
Vou querer sorte
Eu eu eu
Vício de eu.
Nada reserva
Nada preserva
Nada presente
Nada expoente
Nada só
Nada em pó
Nadar, só.
Nadar só.

quarta-feira, março 16, 2005

............................

Caminho inverso
Caminho sem volta

..........

tudo estava em liquidação
a cidade ia fechar...

segunda-feira, março 14, 2005

chorinho

quando chove, as pedras choram...
logo as pedras, que são tão pedras...

quarta-feira, março 09, 2005

a pedido

Você diz que será surpresa
agora é quando menos espero
mas agora você já foi embora
e eu já estou a esperar
então surpresa não será
(quando você sai esqueço todas as palavras
o ouvido não escuta
paredes não habitam nada)

terça-feira, março 08, 2005

domingo, março 06, 2005

Chove não molha

Ocorrência.
A chuva que finge...
A chuva que tinge...

sexta-feira, março 04, 2005

Com Licença

Eu quero morrer um pouquinho agora.
Preciso.
Me picar que nem alho.

Preciso